"At the end, no winner was declared in the face-off between pens and lenses. And that’s a good thing. Whether with a pen or a camera, the act of recording things visually forces us to pay attention to our surroundings. It helps us see things with new eyes when we take the time to look. And that’s all that matters." Gabriel Campanario, fundador dos Urban Sketchers​

11 dezembro 2015

Foto muito feia com a mais bela "cidade invisível" que só ela via...


Ao encaminhar-me para o ponto de encontro da Expedição a Sintra, deparei-me com esta peça por baixo de uma enorme árvore - e neste estado ilegível.

Ao pesquisar na net com as palavras que consegui decifrar encontrei-me com Maria Gabriela Llansol, com a placa no estado original e com um livro que tenho em casa há anos, comprado nesta "Nova" Ler Devagar na Lx Factory, mas que tem estado à espera nas pilhas de livros que me aguardam pacientemente: Três Vazios - Leitura de «Geografia de Rebeldes» de M. G. Llansol, de Maria Carolina Fenati, ou seja, a sua tese de mestrado sobre a Obra de Maria Gabriela Llansol, publicado pelas Edições Vendaval.

Se querem pérolas assim "estranhas" e curiosas deste tipo para ler é só darem um pulinho àquela Livraria de Perdição e começar a percorrer os títulos pelas prateleiras fora...


"Ergo os olhos 
para a cúpula da árvore.
Uma cidade-árvore que eu 
intitulara o Grande Maior, 
uma cidade invisível e que só eu via.
A árvore, essa, poderia ser vista por toda a gente"

Maria Gabriela Llansol 1937-2008 in "Parasceve" 2001


2 comentários:

  1. A Maria Gabriela foi uma descoberta que fiz, através da minha professora de Literatura Comparada, e que nunca mais larguei. Vale a pena seguir a actividade do Espaço Llansol e das suas actividades mensais: http://espacollansol.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Sim! :)
    Viste o link específico para a página desse blog que pus no post? Ou está tão discreto que não reparaste?

    ResponderEliminar